Notícias

A dieta moderna mata mais do que o cigarro, alerta estudo

A má alimentação aumenta o risco de obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e câncer – problemas que somam 11 milhões de mortes por ano.

A alimentação diária seguida por grande parte da população mundial é responsável por mais mortes do que o cigarro, alerta estudo publicado na quinta-feira no periódico científico The Lancet. O relatório indica que uma em cada cinco mortes ocorridas em 2017 estava associada ao consumo excessivo de sal, açúcar ou carne, ou por carência de cereais integrais e frutas. Os pesquisadores ainda destacaram que a má alimentação aumenta o risco de obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e câncer – problemas que juntos somaram 11 milhões de mortes em 2017.

A pesquisa está alinhada com outros dois estudos publicados em janeiro que ressaltaram o vínculo entre alimentação, meio ambiente e mudança climática. “Estes três fenômenos interagem: o sistema alimentar não é apenas responsável pelas pandemias de obesidade e desnutrição, como também gera entre 25% e 30% das emissões de gases do efeito estufa”, escreveram os cientistas. Mas, ao contrário do estudo sobre a dieta da saúde planetária que insistia na redução drástica no consumo de carne e ovos, por exemplo, o novo relatório está longe da privação, indicando apenas a adição de alimentos mais saudáveis à dieta.

Para chegar a esses resultados, a pesquisa analisou quase vinte anos de dados dietéticos de 195 países, além de estudos epidemiológicos sobre riscos e benefícios para a saúde relacionados à nutrição, rastreando também morte prematura e deficiências provocadas por mais de 350 doenças.

Demais

Apesar de não estar voltada para a redução de alimentos, o estudo alerta para o fato de que dietas que incluem bebidas açucaradas, gordura trans e carnes processadas aumentam o risco de morte por diversas causas. Esse dado é preocupante já que a investigação descobriu que, em geral, nenhum continente mantêm uma dieta equilibrada e, portanto, há consumo excessivo de alimentos nocivos à saúde.

“A dieta é uma assassina cega. As pessoas – independentemente da idade, sexo, nacionalidade e status socioeconômico – são afetadas, até certo ponto, pelos hábitos alimentares inadequados. Essa falta de equilíbrio entre saudável e não saudável  é a principal causa de mortalidade no mundo”, ressaltou Ashkan Afshin, coautor do trabalho, à revista Time.

O relatório ainda mencionou que a alta ingestão de sódio foi a maior causa de morte associada a dieta em nível global, com 3 milhões de óbitos em 2017. O sal está associado à hipertensão, doença que aumenta o risco de ataques cardíacos e AVC, além de ter impacto direto no coração e vasos sanguíneos, podendo causar insuficiência cardíaca. Apesar disso, os pesquisadores insistem que o principal problema dos resultados é a baixa ingestão de alimentos saudáveis, como frutas e legumes.

De menos

De acordo com a equipe, a melhor maneira de evitar os riscos de saúde relacionados à dieta é adicionar mais grãos integrais – como aveia, granola e quinoa – e nozes. Também é importante aumentar as porções de frutas, legumes, sementes e gorduras insaturadas, como ômega 3 e 6. O estudo verificou que esses são os ingredientes que mais faltaram na alimentação: globalmente, as pessoas comem apenas 12% do total recomendado de nozes e 23% de grãos integrais. Esses alimentos estão associados a taxas mais baixas de condições crônicas, incluindo câncer, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, além de fornecer muitas vitaminas e minerais.

“Historicamente, frutas e legumes têm sido o centro das atenções. Eles são importantes, mas há maiores lacunas no consumo de nozes, sementes e grãos integrais”, comentou Afshin. Isso não significa que as pessoas devam comer apenas mais de um ou mais de outro. A dieta precisa ser equilibrada, de modo a proporcionar as quantidades necessárias para uma alimentação saudável. Essas pequenas mudanças podem evitar cerca de 6 milhões de mortes por ano.

No Brasil

Os pesquisadores revelaram também que em países como Estados Unidos, Brasil e Alemanha, a falta de grãos integrais foi o maior fator de risco. Mas não é a falta de consumo que cria este cenário, é a escolha por grãos processados com pouco valor nutricional e altas contagens calóricas.

Além disso, em 2011, levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que os hábitos alimentares de 90% dos brasileiros, quando o assunto é o consumo de frutas, verduras e legumes, estão fora do padrão recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Já o estudo Análise de Consumo Alimentar Pessoal no Brasil, da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, mostrou que a dieta brasileira é composta principalmente de arroz e feijão associados a alimentos calóricos e de baixo teor nutritivo.

Consumido versus recomendado

O relatório ainda divulgou a quantidade recomendada das principais categorias alimentares e o quanto eram consumidas na realidade. Começando por nozes e sementes, o consumo diário é de 3 gramas quando a recomendação é 25 gramas. A mesma disparidade foi encontrada nos grãos integrais: 126 gramas (recomendados) contra 29 gramas (consumidos).

Outro alimento pouco consumido é o leite: 71 gramas ingeridas diariamente, contra 443 gramas diárias recomendadas. Enquanto isso, a carne processada é consumida quase em dobro: 4 gramas quando o ideal é apenas 2,1 gramas. A carne vermelha não fica atrás: consomem-se 29 gramas, 7 gramas a mais que o sugerido (22 gramas). Por último, o grande ‘matador’: o sal. O consumo diário é de 6 gramas, mas as diretrizes dizem que não deveria ultrapassar 3,2 gramas.

“A qualidade da dieta é importante, não importa seu peso. O mais importante é que as pessoas aumentem sua ingestão de grãos integrais, frutas, nozes, sementes, legumes e verduras. E reduzam o sal, se puderem”, recomendou Christopher Murray, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, à BBC. Portanto, para evitar os perigos à saúde, vale a pena investir em uma dieta equilibrada, que não necessariamente precisa ser restritiva.

FONTE: veja.abril.com.br